10 DICAS DE CUIDADOS QUE VOCÊ DEVE TER COM RELAÇÃO À NUTRIÇÃO DOS IDOSOS

Os idosos normalmente modificam seu paladar, isso em função das alterações neurológicas e fisiológicas que vão ocorrendo. Eles sofrem alterações nas papilas gustativas no centro da sede, nas eliminações urinárias e fecais, na sua mobilidade, nas rotinas diárias, etc. Para amenizar e desacelerar um pouco as perdas e que ocorrem, podemos realizar algumas alterações nos cuidados com nossos idosos que acarretará mais segurança e uma melhor evolução do quadro. Isso tudo ocorre se eles estiverem nas residências próprias, na casa de familiares ou mesmo nas Geriatrias e Casa de Repouso.

  1. Procure oferecer alimentos mais úmidos; 
  2. Apesar de normalmente restringirmos o sal, devemos aumentar um pouco na saborização dos alimentos, fazendo uso de temperos mais marcantes, como alho, cebola, pimenta, temperos verdes;
  3. Um pouco antes das refeições maiores (almoço e janta) podemos oferecer um caldo quente (de carne bovina ou frango ou milho ou beterraba ou cenoura ou batata, etc), em torno de ½ xícara, isso vai aquecer o sistema digestivo e melhorar a digestão e a absorção dos nutrientes;
  4. A ingestão de líquidos deve ser evitada, pois prejudica no processo de digestão e absorção;
  5. A alimentação deve ser sempre que possível hiperproteica, pois a proteína vai ajudar na força muscular;
  6. Os alimentos à base de gordura hidrogenada, açúcar, salgados, farinha branca, mais do que nunca devem ser evitados para que a alimentação deles seja o mais rica possível.
  7. Para os que ficam inapetentes uma boa opção são as refeições seguidas de alguma sobremesa que seja mais saudável, como frutas, cremes de aveia, cremes de canjica, cremes de trigo, gelatinas, etc.;
  8. Outra boa opção que podemos utilizar são as sopas ao anoitecer, pois são nutritivas, ricas em vitaminas e sais minerais, aquece e hidratam. Porém devemos sempre acrescentar uma fonte proteica;
  9. A suplementação alimentar específica para a área da Geriatria também é uma boa opção, possuímos, principalmente em centros maiores como Porto Alegre, inúmeras possibilidades de lojas e produtos que aumentam o aporte proteico, vitamínico e calórico porém com baixo índice de açúcares;
  10. Juntamente com a hidratação, alimentação, suplementação, outros cuidados devem ser mantidos sempre que possível, são eles o exercício físico e o banho de sol para proporcionarmos a fixação do Cálcio, vitaminas e a produção da vitamina D.

10 DICAS DE CUIDADOS QUE VOCÊ DEVE TER COM IDOSOS COM PARKINSON

Quando comecei a me aproximar da área da Geriatria e Gerontologia, em Porto Alegre, há mais de 25 anos, me deparei por diversas vezes com clientes me relatando que seus idosos apresentavam diagnóstico de Parkinson e Alzheimer. Com o passar do tempo fui percebendo e aprendendo, até porque a Neurologia evoluiu bastante de lá pra cá, que o que acontece é que o paciente com diagnóstico de Parkinson desenvolve um tipo de demência e não necessariamente Alzheimer. Com isso aprendi que existem alguns cuidados que devemos ter para facilitar o cuidado com nossos idosos.

  1. Sempre que eles estiverem fazendo uma alimentação e que seu braço comece a tremer de mais, uma das técnicas que funciona é pedir para ele (a) olhe para a mão, pois quando eles olham para o membro ele cessa o tremor;
  2. Quando for auxiliar algum portador de Parkinson a caminhar, jamais pegue ele pelos braços e fique na sua frente, pois a tendência deles é de se inclinar para trás e travar a marcha. Devemos pegá-lo pela cintura e ficarmos ao seu lado;
  3. Evite locais agitados e barulhentos;
  4. Com a evolução da demência, quando ele começar a se repetir não demonstre irritação ou fale ¨tu já me disse isso¨, pois ele (a) realmente não lembra de já ter falado;
  5. Com a evolução da demência, quando por algum motivo você disser ¨fique sentado aí que eu já volto¨, não espere que ele (a) vá obedecer, pois também não irá se lembrar do que você acabou de dizer e não é porque ele (a) não obedece;
  6. A ingestão de líquidos é outro fator muito complicado, pois com a desidratação das papilas gustativas a modificação do centro da Sede, além de eles não lembrarem, em função da memória, eles param de sentir sede;
  7. Outra característica que aparece em grande parte deles é a perda de urina (incontinência urinária), não somente flacidez da musculatura, como também pela diminuição da sensibilidade e que acabam apresentando a urgência miccional,  pois eles não sentem o estímulo da vontade e quando chegam a sentir já a bexiga já está cheia de mais e não dá tempo de chegarem ao banheiro. Para isso a gente deve estipular um tempo e horários de irem ao banheiro;
  8. Na realidade, na minha avaliação, a melhor forma destes idosos serem melhor cuidados é em uma Geriatria ou Casa de Repouso, pois possuem um ambiente apropriado, pessoas treinadas e capacitadas, não ficam isolados e nós familiares não ficamos na zona de confronto direto, o que desgasta demais o emocional e as relações familiares;
  9. Normalmente ao final da tarde, conforme a noite vem se aproximando, eles começam a ficar mais agitados, tem gente que fala que seria porque eles têm medo da noite, mas na realidade isso está mais envolvido com a questão hormonal e não emocional ou comportamental, por isso devemos tentar concentrar as medicações que diminuem a agitação para este horário e não durante o dia todo. Apesar que cada fase é diferente uma das outras. Eles apresentam vários ciclos de modificação de comportamento;
  10. Devemos sempre observar se as eliminações estão dentro da normalidade, pois diversos idosos apresentam uma constipação intestinal bem importante em função da redução de movimentos, ingesta hídrica e alimentar. Assim como as fezes, temos de sempre que possível observar o aspecto da urina, pois em função de várias situações, como uso de fraldas, erro na realização da higiene após eliminações, etc. eles acabam fazendo infecções urinárias, sem sintomas, o que acarreta em uma piora muito grande do sensório e comportamental.

10 DICAS DE CUIDADOS QUE VOCÊ DEVE TER COM IDOSOS COM ALZHEIMER

Esse é um dos quadros mais difíceis de ser enfrentado pelos familiares, na área da Geriatria, pois a pessoa normalmente apresenta uma saúde clínica perfeita, porém a condição mental fica muito comprometida. É quase que incompreensível que uma mãe ou pai não reconheça o próprio filho, mas infelizmente é para essa situação que esta doença encaminha a todos. De repente a pessoa que mais te amou e mais te conhece no mundo passa a te olhar com um olhar de desconfiança e questionando QUEM TU É. Para que tudo isso não acabe gerando mais conflitos ainda, existem algumas formas um pouco menos dolorosas de passarmos por tudo isso e ajudarmos melhor estes idosos.

  1. Nunca contrarie ou use palavras de negação, pois isso deixa eles extremamente irritados;
  2. Dentro do possível, procure não mudar o idoso de ambientes, tipo passar uns dias na casa de uma pessoa e outros nas casas de outros. Isso deixa eles mais desorientados e confusos, infelizmente as residências, principalmente na região das grandes cidades, como Porto Alegre, acabam tendo apartamentos pequenos e nos forçam a revezar entre a casa dos familiares;
  3. Evite levá-los a locais agitados e barulhentos;
  4. Quando ele se repetir não demonstre irritação ou fale ¨tu já me disse isso¨, pois ele (a) realmente não lembra de já ter falado;
  5. Quando por algum motivo você disser ¨fique sentado aí que eu já volto¨, não espere que ele (a) vá obedecer, pois também não irá se lembrar do que você acabou de dizer e não é porque ele (a) não obedece;
  6. A ingesta de líquidos é outro fator muito complicado, pois com a desidratação das papilas gustativas o a modificação do centro da Sede, além de eles não lembrarem, em função da memória, eles param de sentir sede;
  7. Outra característica que aparece em grande parte deles é a perda de urina (incontinência urinária), não somente flacidez da musculatura, como também pela diminuição da sensibilidade e que acabam apresentando a urgência miccional,  pois eles não sentem o estímulo da vontade e quando chegam a sentir já a bexiga já está cheia de mais e não dá tempo de chegarem ao banheiro. Para isso a gente deve estipular um tempo e horários de irem ao banheiro;
  8. Na realidade, na minha avaliação, a melhor forma destes idosos serem melhor cuidados é em uma Geriatria ou Casa de Repouso, pois possuem um ambiente apropriado, pessoas treinadas e capacitadas, não ficam isolados e nós familiares não ficamos na zona de confronto direto, o que desgasta demais o emocional e as relações familiares;
  9. Normalmente ao final da tarde, conforme a noite vem se aproximando, eles começam a ficar mais agitados, tem gente que fala que seria porque eles têm medo da noite, mas na realidade isso está mais envolvido com a questão hormonal e não emocional ou comportamental, por isso devemos tentar concentrar as medicações que diminuem a agitação para este horário e não durante o dia todo. Apesar que cada fase é diferente uma das outras. Eles apresentam vários ciclos de modificação de comportamento;
  10. Devemos sempre observar se as eliminações estão dentro da normalidade, pois diversos idosos apresentam uma constipação intestinal bem importante em função da redução de movimentos, ingesta hídrica e alimentar. Assim como as fezes, temos de sempre que possível observar o aspecto da urina, pois em função de várias situações, como uso de fraldas, erro na realização da higiene após eliminações, etc. eles acabam fazendo infecções urinárias, sem sintomas, o que acarreta em uma piora muito grande do sensório e comportamental.

10 CUIDADOS QUE VOCÊ DEVER TER AO ESCOLHER UMA GERIATRIA

Para nós da Prolar Saúde Geriatria que trabalhamos com atendimento a idosos na cidade de Porto Alegre há mais de 10 anos, fica mais fácil de orientar as pessoas quanto ao que elas devem estar atentas ao escolher uma Casa de Repouso para seu familiar, desde o início nos deparamos com diversas dificuldades e tivemos de nos adaptar, corrigir e reinventar conforme estas dificuldades vinham se apresentando. O primeiro e grande ensinamento que tivemos foi com relação ao cumprimento das recomendações que a CGVS (Central Gaúcha de Vigilância Sanitária) nos apresentou no momento de encaminharmos o nosso primeiro Alvará da Saúde. Foi impressionante como ao nos adequarmos às exigências fomos percebemos o quanto elas nos traziam mais segurança nos cuidados aos idosos. Com isso aprendemos vários pontos que devem ser observados na escolha de uma Lar para os idosos. A empresa deve possuir:

  1. Alvará da Saúde;
  2. Alvará dos Bombeiros;
  3. Empresa constituída com CNPJ;
  4. Médico Responsável que realize pelo menos uma visita mensal aos pacientes;
  5. Enfermeira Responsável que permaneça pelo menos 20 horas semanais no local;
  6. Nutricionista que elabore cardápios, supervisione a cozinha e acompanhe a evolução nutricional dos pacientes;
  7. Ambientes iluminados, arejados e com circulação livre;
  8. Pelo menos 1 pessoa que seja responsável pela elaboração e cuidados com a alimentação, 1 outra responsável pela limpeza, roupas e lixo e outras responsáveis apenas pelo cuidado aos pacientes;
  9. Cardápio afixado e que seja rigorosamente executado;
  10. Visitas livres pelo menos aos familiares responsáveis.

O GRUPO DE IDOSOS APRESENTAM A MAIOR TAXA DE LETALIDADE PARA O COVID-19

O mundo enfrenta uma das suas maiores crises na saúde a infecção pelo Coronavírus COVID-19, já são mais de 500 mil casos e mais de 20 mil mortes no mundo até o momento.

O mundo enfrenta uma das suas maiores crises na saúde, a infecção pelo COVID-19, já foram registrados mais de 3,5 milhões de casos confirmados e mais de 250.000 mortes  no mundo. No Brasil são mais de 100.000 casos confirmados e mais de 7.000 mortes. Isso até o início do mês de maio/2020, Conforme informações Ministério da Saúde

A taxa de letalidade para o grupo de idosos é de cerca de 8% para idosos com idade entre 70 a 79 anos e 15% entre idosos a partir de 80 anos. Segundo dados da OMS, em função de seu sistema imunológico mais frágil.

Por isso os idosos precisam de um cuidado redobrado, principalmente por parte dos familiares seja no prevenindo o contágio ou no isolamento e auxiliando nas tarefas e atividades, tais como: alimentação, controle de medicamentos, higienização, etc.

Por isso os idosos precisam de um cuidado redobrado, principalmente por parte dos familiares, na prevenção do contágio, no isolamento e no auxílio das tarefas e atividades, tais como: alimentação, controle de medicamentos, higienização, etc.

A IMPORTÂNCIA DE PROFISSIONAIS QUALIFICADOS PARA OS CUIDADOS DOS IDOSOS NAS GERIATRIAS?

Se você está procurando uma geriatria para garantir os cuidados necessários para seu familiar idoso durante o isolamento é importante levar em conta alguns pontos no momento de decidir qual geriatria escolher.

A garantia de profissionais qualificados na equipe deve ser um dos principais pontos a se observar. Uma equipe completa deve estar disponível para atendimento. Além dos profissionais técnicos de enfermagem e enfermeiros que devem ser devidamente registrados no COREN (Conselho Regional de Enfermagem), se faz necessário acesso a fisioterapeutas para auxiliar no tratamento de recuperação da mobilidade e garantir um bem estar físico maior para o idoso, nutricionista para garantir uma alimentação adequada principalmente uma alimentação que reforce o sistema imunológico do idoso, além de profissionais administrativos para garantir uma gestão de equipe efetiva e um diálogo mais próximo com a família do idoso.

A experiência é outro fator importante. Procure uma geriatria com anos de experiência no recrutamento de profissionais. Assim você terá uma maior garantia de que os profissionais envolvidos nos cuidados do idoso serão responsáveis e garantirão o bem estar do seu familiar.

A experiência é outro fator importante. Procure uma geriatria com anos de experiência no cuidado, treinamento e recrutamento de profissionais. Assim você terá uma maior garantia de que os profissionais envolvidos nos cuidados do idoso serão responsáveis e garantirão o bem-estar do seu familiar. Você deve exigir do gestor da geriatria a apresentação dos certificados de registro junto aos órgãos fiscalizadores e reguladores dos serviços, como CGVS (Vigilância da Saúde, Bombeiros, COREN, CREMERS e CRN por exemplo.

COMO A GERIATRIA PODE AUXILIAR?

Além de uma equipe profissional e qualificada,  uma geriatria com experiência pode proporcionar outros benefícios ao idoso e à família. Tudo visando a saúde e bem-estar do idoso, e isso pode incluir até mesmo atividades lúdicas e terapias em grupo.

A POSSIBILIDADE DE UM CONVÍVIO SOCIAL CONTROLADO

Um estudo da Nielsen demonstrou que cerca de 17% dos idosos no mundo tem preocupação em perder status social. O convívio com outros idosos na geriatria além de atividades lúdicas e em grupo pode ajudar a autoestima do idoso.

Em uma geriatria esse convívio conta com a ajuda de profissionais da saúde qualificados auxiliando nas atividades em grupo.

OS CUIDADOS COM O IDOSO DURANTE O ISOLAMENTO

Como comentado anteriormente, as necessidades dos idosos são diversas e em sua maioria necessitam de auxílio. A pesquisa de Nielsen também trouxe outras preocupações dos idosos que devem ser levadas em conta. 58% tem preocupação em ter perda de autossuficiência para cuidar das necessidades básicas, 57% tem medo de perder a agilidade física e 51% tem medo de perder a capacidade mental.

Em uma geriatria o idoso tem auxílio em diversas tarefas, ficando livre para as atividades mais direcionadas para o seu bem-estar.

A HIGIENIZAÇÃO DA GERIATRIA

A higienização na geriatria é constante e feita de forma adequada auxiliando na prevenção do contágio de diversas doenças, inclusive do coronavírus COVID-19. Um ambiente limpo também promove uma maior sensação de bem estar aos idosos.

A higienização na geriatria é constante e feita de forma adequada auxiliando na prevenção do contágio de diversas doenças, inclusive do COVID-19. Um ambiente limpo também promove uma maior sensação de bem-estar aos idosos.

O uso de antissépticos e desinfetantes de uso hospitalar e álcool 70% também é utilizado seguindo recomendações da OMS no combate ao COVID-19 e auxiliando na prevenção do contágio. O uso do álcool gel 70% amplamente utilizado pelos idosos e equipe da geriatria.

A HIGIENIZAÇÃO DO IDOSO

Muitos idosos já debilitados com a mobilidade limitada necessitam de auxílio na higienização e os profissionais técnicos de enfermagem podem auxiliar no banho e higiene garantindo o bem-estar e promovendo a saúde do idoso.

ESTRUTURA FÍSICA PARA O IDOSO

Outro fator muito importante para o bem-estar do idoso são as acomodações e espaço físico por onde o idoso desenvolve sua rotina diária. Em uma geriatria a disposição dos móveis do quarto e sala de estar são adaptadas e levam em conta a segurança em caso de quedas, evitando objetivos e móveis pontiagudos por exemplo.

Com o risco da infecção do COVID-19 deve-se ter o cuidado de deixá-los afastados, pelo menos a um metro de distância, inclusive nos ambientes de alimentação e confraternização. Para isso a clínica deve oferecer ambientes amplos e arejados. Caso isso não seja possível eles deverão ser mantidos confinados em seus quartos.

OS CUIDADOS COM A ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS

Esse é um dos principais fatores favoráveis na decisão de uma geriatria nos cuidados ao idoso. Muitos medicamentos precisam de uma aplicação por meio de injeção e os técnicos de enfermagem podem auxiliar, além de ter cuidado nas doses exatas de outros medicamentos que o idoso necessita.

O controle do estoque e falta de medicamentos também é gerenciado pela geriatria. Isso garante a reposição de forma prévia e preventiva evitando a falta e interferência nos tratamentos que o idoso possa estar fazendo.

Outro ponto importante de se levar em conta é a dificuldade de leitura de muitos idosos. Identificar quais os remédios e horário tomar pode ser difícil devido a problemas de visão muito comuns aos idosos.

OS CUIDADOS COM A ALIMENTAÇÃO E HIDRATAÇÃO

Os idosos necessitam de um cuidado rigoroso na alimentação. Isso se deve a problemas de saúde, problemas gástricos, metabolismo mais lento, além de alimentos que podem desenvolver outros problemas de saúde.

Tão importante quanto o cuidado com alimentação, existe também o controle da hidratação dos idosos, pois com o avanço da idade, em função de alterações fisiológicas e até mesmo por costumes, a aceitação deles é sempre muito limitada quanto à ingesta hídrica.

A geriatria pode contar com um nutricionista para definir um cardápio ideal para os idosos, que auxilie na promoção da saúde, evitando a desnutrição e desidratação que são problemas recorrentes entre idosos, além de fazer cardápios especiais para idosos que tenham alguma restrição alimentar, como intolerância á lactose, Glúten e Glicose por exemplo.

MANUSEAR OS EQUIPAMENTOS HOSPITALARES DA FORMA CORRETA

Muitos idosos necessitam utilizar equipamentos hospitalares como respiradores ou realizar nebulizações por exemplo. Para a utilização desses equipamentos é necessário cuidado e nesse momento um técnico de enfermagem pode auxiliar e garantir o uso correto promovendo o tratamento e recuperação do idoso.

Exemplos mais simples como leitura de termômetro, ajuste de inclinação da maca e camas, movimentação da cadeira de rodas podem necessitar de outra pessoa e o idoso pode ter essa ajuda sempre que necessário em uma geriatria.

COMO CONTRATAR UMA GERIATRIA DURANTE O ISOLAMENTO

Procure uma clínica geriátrica com experiência, a Prolar tem mais de 10 anos de experiência e pode ajudar você nos cuidados que o idoso precisa. Sabemos da necessidade de cuidados especiais e do bem-estar e carinho que você procura para o seu familiar idoso, e pensando nisso disponibilizamos uma equipe profissional com experiência.

A IMPORTÂNCIA DO PROCESSO DE GESTÃO DO PROFISSIONAL DA EQUIPE

Um dos fatores que leva as famílias a buscarem uma clínica geriátrica é a gestão da equipe de profissionais envolvida nos cuidados do idoso. Questões como controle de folgas, folha de pagamentos, registro em carteira (CLT), confirmação de experiência e registros nos conselhos profissionais, como Coren, etc.

A clínica geriátrica, busca compor sua equipe com profissionais da área de contabilidade e administração, além de profissionais com especialização em recursos humanos que auxiliam em todo o processo de gestão geral da equipe. Deve compor a equipe uma Enfermeira que terá como função a supervisão, cuidado e treinamento constante de toda a equipe.

DEPOIMENTOS E AVALIAÇÃO DE FAMILIARES

“Desde a primeira vez que entramos em contato com a clínica percebemos que não era igual às outras… A acolhida e o trato foram fundamentais para que nos sentíssemos seguros em hospedar nossa Mãe na Clínica Prolar Saúde. Com relação às instalações são amplas, arejadas e de fácil mobilidade. As técnicas de atendimento são hábeis e atenciosas para com os pacientes. Só temos a agradecer os cuidados e atenção que vocês têm com a nossa Mãe.” – Iracema F. filha de Ilse F.

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA A PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES PELO NOVO CORONAVÍRUS (SARS-CoV-2)

A Prolar disponibiliza seu manual de orientações

Introdução

Tendo em vista a vulnerabilidade de nossos clientes, principalmente pela faixa etária destes, o que acarreta comorbidades e diminuição de sua imunidade, com níveis variados de dependência e necessidades mais complexas. Com a intensa expansão mundial da COVID-19, doença que tem como população mais frágil justamente nosso público, ou seja, pessoas com idade superior a 60 anos; apresentamos aqui uma reflexão e reorganização de nossos serviços, protocolos e rotinas.

Neste Manual, conforme Nota Técnica 05/2020 da Anvisa, serão abordadas orientações mínimas quanto às medidas de prevenção e controle que devem ser adotadas durante a assistência aos residentes, e colaboradores da PROLAR SAÚDE, principalmente com relação aos casos suspeitos ou com diagnóstico confirmado de COVID-19, segundo as orientações divulgadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e outros órgãos. No entanto, ressaltamos que este é um documento que pode ser alterado a qualquer momento, conforme novas informações estiverem disponíveis, já que se trata de um microrganismo novo no mundo e, portanto, com poucas evidências sobre ele.

Em primeira mão, gostaríamos de ressaltar os sinais e sintomas para os quais devemos ficar sempre atentos:

OS SINAIS E SINTOMAS GERALMENTE APRESENTADOS NA DOENÇA COVID-19 SÃO OS SEGUINTES:

  • Sintomas gastrointestinais, como diarreia.
  • Dor de cabeça, dor muscular e fadiga;
  • Tosse;
  • Sintomas respiratórios superiores;
  • Alterações no olfato (diminuição na capacidade de sentir cheiro).
  • Febre (≥37,8ºC)*;
  • Dificuldade para respirar;

OBS 1: A Febre pode não estar presente em alguns casos excepcionais, como crianças, idosos, imunossuprimidos ou pessoas que utilizaram antitérmicos, portanto, a avaliação clínica e epidemiológica deve ser levada em consideração.

OBS 2: Também pode ocorrer pessoas que não apresentem todos os sintomas, apenas 3 ou 4 e isso já são sinais de alerta, para que fiquemos prestando atenção e que a qualquer piora procuremos atendimento médico

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA IMPEDIR A DISSEMINAÇÃO DO VÍRUS

Segundo a Norma da 05/2020 da ANVISA e conforme as informações atuais disponíveis, sugere-se que a transmissão pessoa a pessoa do novo coronavírus (SARS-CoV2) ocorre por meio de gotículas respiratórias, que são expelidas durante a fala, tosse ou espirro e por contato com as superfícies contaminadas por essas gotículas. Qualquer idoso que tenha contato próximo (menos de 1 metro) com uma pessoa infectada com o novo coronavírus (estando com sintomas ou não) está em risco de ser também infectado e apresentar um quadro grave de infecção pelo vírus, já que é comum que os idosos tenham doenças crônicas (diabetes, problemas cardíacos e pulmonares, etc).

Portanto, para prevenção e controle da disseminação do vírus SARS-CoV-2 entre os idosos, devemos adotar, minimamente, as seguintes medidas:

1. REALIZAR A AVALIAÇÃO/MONITORAMENTO PERIÓDICO DE TODOS OS RESIDENTES

  • Monitorar diariamente os residentes, conforme rotina que já mantemos, quanto a febre, sintomas e sintomas.
  • Avaliar os sintomas de infecção respiratória dos residentes no momento da admissão ou retorno ao estabelecimento e implementar as práticas de prevenção de infecções apropriadas para os residentes que chegarem sintomáticos.

2. HIGIENE DA MÃOS

  • Orientar e estimular os residentes e profissionais a realizar a higiene das mãos com água e sabão ou sabonete líquido OU álcool gel a 70%, frequentemente.
  • Disponibilizar álcool gel a 70% para a higiene das mãos nos corredores, nas recepções, nas salas de estar, nas áreas de lazer, nos consultórios, nos refeitórios, banheiros e em outras áreas comuns da PROLAR SAÚDE.
  • Prover condições para higiene das mãos com água e sabonete líquido: lavatório/pia com dispensador de sabonete líquido, álcool gel, suporte para papel toalha, papel toalha, lixeira com tampa e/ou abertura sem contato manual.
  • Auxiliar os idosos que não conseguem higienizar as mãos e aos que não for possível a higienização com água e sabão, podemos aplicar álcool gel ou ainda álcool líquido pelo menos 3 vezes ao dia (antes do café, antes do almoço e antes da janta.

3. ORIENTAR A ETIQUETA DA TOSSE E A HIGIENE RESPIRATÓRIA

  • Orientar os residentes, os profissionais e os visitantes a adotarem a etiqueta da tosse e a higiene respiratória:
    • Se tossir ou espirrar, cobrir o nariz e a boca com cotovelo flexionado ou papel toalha.
    • Utilizar lenço descartável e ou papel toalha para higiene nasal (descartar imediatamente após o uso e realizar a higiene das mãos).
  • Prover lenço descartável ou papel toalha para higiene nasal dos residentes.
  • Prover lixeira com tampa e/ou abertura sem contato manual para o descarte de lenços.
  • Orientar os funcionários a ajudarem os idosos com dificuldade de aplicarem as orientações.
  • Afixar cartazes com instruções sobre higiene das mãos, higiene respiratória e etiqueta da tosse nos acessos e em locais estratégicos da instituição.

4. LIMPEZA E DESINFECÇÃO DAS SUPERFÍCIES, DOS UTENSÍLIOS E PRODUTOS UTILIZADOS PELOS RESIDENTES

  • Garantir a limpeza correta e frequente, diariamente e sempre que necessário, das superfícies das áreas comuns, dos dormitórios e de outros ambientes utilizados pelos residentes.
  • No caso de a superfície apresentar matéria orgânica visível, deve-se inicialmente proceder à retirada do excesso da sujidade com papel ou tecido absorvente e posteriormente realizar a limpeza e desinfecção desta área.
  • Realizar a limpeza e desinfecção com algodão embebido em álcool de equipamentos (estetoscópios, esfigmomanômetros, termômetros, etc.), produtos para saúde e utensílios (exemplos: pratos, copos, talheres, etc.) que tenham sido utilizados pelos residentes.

5. VISITAS

  • Reduziremos ao máximo o número de visitantes, assim como a frequência e a duração da visita.
  • Fica estabelecido que se houver necessidade, organizaremos um cronograma de visitas para evitar a aglomerações durante as visitas aos residentes.
  • Questionar aos visitantes na chegada da instituição sobre sintomas de infecção respiratória (tosse, dificuldade para respirar, batimento das asas do nariz, entre outros) e sobre contato prévio com pessoas com suspeita ou diagnóstico de COVID-19.
  • Não permitir a visita de pessoas que apresentem qualquer sintoma respiratório ou que tiveram contato prévio com pessoas com suspeita ou diagnóstico de COVID-19.
  • Contraindicar a visita de crianças, pois são possíveis portadores assintomáticos do novo Corona Vírus.
  • Orientar aos visitantes para realizar a higiene das mãos com água e sabonete líquido OU álcool gel a 70%, OU álcool líquido, no momento da entrada no ambiente da PROLAR SAÚDE, ou seja, na pia do primeiro banheiro, que fica no andar térreo à direita.

6. ÁREAS COMUNS

  • Devemos evitar aglomerações, garantindo a distância mínima de 1 metro entre eles. Se for preciso, estabelecer escalas para a saída dos idosos dos quartos para locomoção em áreas comuns, banhos de sol, etc.
  • Todos os colaboradores deverão trocar de roupa, realizar a antissepsia das mãos com água e sabão e aplicação de álcool gel no momento da entrada na PROLAR SAÚDE, ou seja, na pia do primeiro banheiro, que fica no andar térreo à direita.
  • Todos os colaboradores deverão utilizar durante todo o tempo de atendimento aos pacientes máscara cirúrgica, com os devidos cuidados de colocação e retirada bem como a higienização e troca destas.
  • Servir as refeições, observando a distância mínima de 1 metro entre elas, e proporcionar o intervalo de tempo adequado para a limpeza e desinfecção dos ambientes de refeição e convivência.

7. RESIDENTES COM QUADRO SUSPEITO OU COM DIAGNÓSTICO DE COVID-19

  • Todo paciente que apresentar quadro de infecção respiratória, deverá ser direcionado imediatamente para leito de isolamento (privativo).
  • Adotar Precauções Padrão* + precauções para gotículas + precauções de contato no cuidado/atendimento a todos os residentes suspeitos ou com diagnóstico de COVID-19. Nesse caso, todos os cuidadores/profissionais que entrarem em contato ou prestarem cuidado aos residentes devem utilizar os seguintes Equipamentos de Proteção Individual (EPI):
    • óculos de proteção ou protetor facial;
    • máscara cirúrgica (comum);
    • avental;
    • protetor impermeável;
    • luvas de procedimentos não estéril.
  • No caso da realização de procedimentos que gerem aerossóis (partículas contaminantes menores e mais leves que as gotículas), também deverão ser adotadas as precauções para aerossóis. Portanto, os profissionais devem utilizar máscara N95, ou equivalente, durante a realização de procedimentos como: indução de tosse, aspiração traqueal, ressuscitação cardiopulmonar, ventilação manual antes da intubação, indução de escarro.
  • Os profissionais da limpeza devem utilizar os seguintes EPI’s durante a limpeza dos ambientes:
    • gorro
    • óculos de proteção ou protetor facial;
    • máscara cirúrgica (comum);
    • avental;
    • luvas de borracha de cano longo;
    • botas impermeáveis.
  • Os idosos com sintomas de infecção respiratória devem utilizar máscaras cirúrgicas (comuns), sempre que estiverem fora dos quartos e devem realizar essas atividades em horários diferentes dos outros idosos, quando possível.
  • Servir as refeições, de preferência, nos quartos dos residentes ou escalonar o horário das refeições de forma que uma equipe possa gerenciar a quantidade de pessoas (mantendo a distância mínima de 1 metro entre elas), e para proporcionar o intervalo de tempo adequado para a limpeza e desinfecção do ambiente.
  • Disponibilizar, próximo a entrada das áreas dos residentes, um local para guarda e colocação dos EPIs.
  • Posicionar uma lixeira perto da saída do quarto dos residentes para facilitar o descarte de EPI’s pelos profissionais.
  • Identificar na porta do quarto do residente os tipos de EPI’s que são necessários.
  • Manter os residentes com febre ou sintomas respiratórios agudos em seus quartos. Caso precisem sair do quarto para procedimentos médicos ou outras atividades, devem ser orientados a sempre utilizarem uma máscara cirúrgica (comum).
  • O ideal é manter os residentes em quartos individuais. Caso não seja possível, os residentes com sintomas de infecção respiratória, devem ser mantidos em um mesmo quarto ou em áreas próximas.
  • Atentar para as comorbidades que contraindicam o isolamento do paciente em quarto (doenças cardíacas crônicas descompensadas, doenças respiratórias crônicas descompensadas, doenças renais crônicas descompensadas, imunossupressores, portadores de doenças cromossômicas com estados de fragilidade imunológica). Esses casos, devem ser monitorados de perto pelos profissionais do serviço, durante as 24 horas, mantendo-se o devido cuidado com o uso dos EPI e a distância de mais de 1 metro entre os residentes.
  • Realizar limpeza e desinfecção de todos os equipamentos, produtos para saúde e os utensílios utilizados.
  • Sempre que possível providenciar produtos e materiais de uso exclusivo, como termômetros, aparelhos de pressão, etc. Materiais de uso coletivo, devem ser submetidos a limpeza e desinfecção após o uso.
  • Residentes com suspeita ou diagnóstico confirmado de COVID-19 devem ser idealmente alojados em quartos individuais bem ventilados, com banheiro em anexo (pois há a possibilidade de eliminação do vírus pelas fezes e alguns pacientes tem apresentado quadros diarreicos) ou pelo menos deixar 1 banheiro específico para os pacientes que apresentarem suspeita ou diagnóstico de COVID-19
  • Se possível, os EPI só devem ser utilizados enquanto os profissionais estiverem no atendimento direto aos pacientes com quadro suspeitos ou confirmados.
  • As roupas, incluindo lençóis, toalhas e cobertores, de residentes com quadro suspeito ou confirmado de COVID-19 devem ser lavadas separadamente das roupas dos demais residentes. Deve ser utilizado sabão/detergente para lavagem e algum saneante com ação desinfetante como por exemplo, produtos à base de cloro. Devem ser seguidas as orientações de uso dos fabricantes dos saneantes. Na retirada da roupa suja deve haver o mínimo de agitação e manuseio. As roupas devem ser retiradas do quarto do residente e encaminhadas diretamente para a máquina de lavar, dentro de saco plástico. Os profissionais devem usar EPI para esse procedimento.
  • Se houver necessidade de encaminhamento do residente com suspeita de COVID- 19, para um serviço de saúde devemos notificar previamente ao serviço.

8. COMO PROCEDER AO RECEBERMOS PACIENTE NOVO:

  • Deverá ser mantido em quarto Privativo durante pelo menos 14 dias.
  • Todo e qualquer procedimento deverá ser realizado como provável infectado.
  • As medidas de proteção e cuidados foram descritas no item 7.

9. PROFISSIONAIS/CUIDADORES

  • Se houver necessidade de encaminhamento do residente com suspeita de COVID- 19, para um serviço de saúde, deverá ser notificado previamente ao serviço.
  • Informar sempre que apresentar sinais e sintomas de infecções respiratórias ou que tenha contato com alguém sabidamente contaminado.
  • Os funcionários deverão realizar correta e frequente a higiene das mãos com água e sabonete líquido OU álcool gel a 70% OU Álcool líquido a 70%, de acordo com as recomendações da Anvisa, e demonstrado nos cartazes afixados em diversos ambientes da PROLAR SAÚDE
  • Todos colaboradores deverão seguir as orientações sobre a COVID-19, efetuadas a partir de conversas, mensagens e cartazes.
  • Foram restritas as visitas de familiares, amigos e de profissionais que prestam serviços periódicos e voluntários, como, por exemplo, cabeleireiros, podólogas, grupos religiosos, etc., exceto em caso de extrema necessidade.

10. OUTRAS ORIENTAÇÕES

  • Serão suspensas todas as atividades coletivas e festividades.
  • Orientar os residentes sobre a COVID-19 e reforçar as medidas de prevenção da doença.
  • Os colaboradores serão orientados a continuar não compartilhando cortadores de unha, alicates de cutícula, aparelhos de barbear, pratos, copos, talheres, toalhas, roupas de cama, canetas, celulares, teclados, mouses, pentes ou escovas de cabelo, etc. Caso haja a necessidade, deverá ser realizada a assepsia com álcool previamente.
  • Todos os ambientes devem ser mantidos ventilados, incluindo os quartos dos residentes.
  • Os residentes, profissionais e cuidadores devem evitar tocar nos olhos, no nariz e na boca.
  • Os visitantes devem informar à PROLAR SAÚDE, caso sejam classificados como suspeitos ou confirmados de apresentarem a COVID-19, ou seja, caso desenvolvam sintomas após terem realizado visita para os residentes.
  • Travesseiros e cobertores dos residentes devem ser mantidos em cima das próprias camas ou em armário individual.

11. TRATAMENTO DE RESÍDUOS

  • Os resíduos provenientes dos cuidados com residentes suspeitos ou confirmados de infecção pelo novo coronavírus (COVID-19) devem ser separados e acondicionados em sacos e identificados como ¨MATERIAL CONTAMINADO¨ antes de ser encaminhados à lavanderia ou coleta de lixo especial.

12. VACINAÇÃO

  • Todos os residentes foram vacinados, os colaboradores que não estavam de plantão no dia da vacinação, foram orientados a procurar pontos de vacinação se identificando como profissionais da área da saúde.

13. LUVAS

As luvas de procedimentos não cirúrgicos devem ser utilizadas, no contexto da epidemia da COVID-19, em qualquer contato com o paciente ou seu entorno (Precaução de Contato). Quando o procedimento a ser realizado no paciente exigir técnica asséptica, devem ser utilizadas luvas estéreis (de procedimento cirúrgico).

As recomendações quanto ao uso de luvas por profissionais de saúde são:

  • As luvas devem ser colocadas antes da entrada no quarto do paciente ou área em que o paciente está isolado.
  • As luvas devem ser removidas de dentro do quarto ou área de isolamento e descartadas como resíduo infectante.
  • Jamais sair do quarto ou área de isolamento com as luvas.
  • Nunca toque desnecessariamente superfícies e materiais (tais como telefones, maçanetas, portas) quando estiver com luvas.
  • Não lavar ou usar novamente o mesmo par de luvas.
  • O uso de luvas não substitui a higiene das mãos.
  • Não devem ser utilizadas duas luvas para o atendimento dos pacientes, esta ação não garante mais segurança à assistência.
  • Proceder à higiene das mãos imediatamente após a retirada das luvas.
  • Observe a técnica correta de remoção de luvas para evitar a contaminação das mãos:
  • Retire as luvas puxando a primeira pelo lado externo do punho com os dedos da mão oposta.
  • Segure a luva removida com a outra mão enluvada.
  • Toque a parte interna do punho da mão enluvada com o dedo indicador oposto (sem luvas) e retire a outra luva.

14. PROTETOR OCULAR OU PROTETOR DE FACE (FACE SHIELD)

  • Os óculos de proteção ou protetores faciais (que cubra a frente e os lados do rosto) devem ser utilizados quando houver risco de exposição do profissional a respingos de sangue, secreções corporais e excreções.
  • Os óculos de proteção ou protetores faciais devem ser exclusivos de cada profissional responsável pela assistência, devendo após o uso sofrer limpeza e posterior desinfecção com álcool líquido a 70%, hipoclorito de sódio ou outro desinfetante recomendado pelo fabricante.
  • Caso o protetor facial tenha sujidade visível, deve ser lavado com água e sabão/detergente e só depois dessa limpeza, passar pelo processo de desinfecção.

15. CAPOTE/AVENTAL

  • O capote ou avental (gramatura mínima de 30g/m2) deve ser utilizado para evitar a contaminação da pele e roupa do profissional. O profissional deve avaliar a necessidade do uso de capote ou avental impermeável (estrutura impermeável e gramatura mínima de 50 g/m2) a depender do quadro clínico do paciente (vômitos, diarreia, hipersecreção orotraqueal, sangramento, etc.).
  • O capote ou avental deve ser de mangas longas, punho de malha ou elástico e abertura posterior. Além disso, deve ser confeccionado de material de boa qualidade, atóxico, hidro/hemorrepelente, hipoalérgico, com baixo desprendimento de partículas e resistente, proporcionar barreira antimicrobiana efetiva (Teste de Eficiência de Filtração Bacteriológica – BFE), permitir a execução de atividades com conforto e estar disponível em vários tamanhos.
  • O capote ou avental sujo deve ser removido e descartado como resíduo infectante após a realização do procedimento e antes de sair do quarto do paciente ou da área de assistência. Após a remoção do capote deve-se proceder a higiene das mãos para evitar a transmissão dos vírus para o profissional, pacientes e ambiente.

16. GORRO

  • O gorro está indicado para a proteção dos cabelos e cabeça dos profissionais em procedimentos que podem gerar aerossóis.
  • Deve ser de material descartável e removido após o uso.

ANEXO 1 – TÉCNICAS CORRETAS PARA A HIGIENE DAS MÃOS

1. HIGIENE DAS MÃOS COM ÁGUA E SABONETE LÍQUIDO E HIGIENE DAS MÃOS COM PREPARAÇÃO ALCOÓLICA

Demais orientações sobre a assistência à saúde para os casos de COVID-19 podem ser encontradas na NOTA TÉCNICA GVIMS/GGTES/ANVISA Nº 04/2020, que tem como título:

ORIENTAÇÕES PARA SERVIÇOS DE SAÚDE: MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE QUE DEVEM SER ADOTADAS DURANTE A ASSISTÊNCIA AOS CASOS SUSPEITOS OU CONFIRMADOS DE INFECÇÃO PELO NOVO CORONAVÍRUS (COVID-19).

Disponível no link: https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/alertas/item/nota- tecnica-n-04-2020-gvims-ggtes-anvisa

Publicações e materiais sobre higiene das mãos encontram-se disponíveis no sítio eletrônico da Anvisa: https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/publicacoes/category/higienizacao-das-maos

Publicações sobre precauções, que podem ser acessadas no link: https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/publicacoes/category/ca rtazes 26

Porque devemos usar máscaras no combate ao COVID-19

Hoje eu gostaria de estar falando um pouco do porquê da necessidade de utilizarmos máscaras no nosso dia-a-dia.

Começo fazendo uma comparação entre a Gripe A e a COVID 19, porque tanto a Gripe A como a COVID19 são causadas por um vírus, com sinais e sintomas de uma gripe.

Mas o que tem de diferença fundamental entre elas, além da COVID-19 ainda não ter vacina, é a capacidade de contaminação do Corona Vírus.

Vamos fazer novamente um comparativo com a Gripe A, quando um paciente é infectado, o vírus tem uma preferência, se adapta e se multiplica melhor nas Vias Aéreas Inferiores, ou seja, na parte do Pulmão. Então, quando o paciente fica doente e apresenta sinais de infecção, pois é o momento em que a doença se instalou, aí é que ele começa a ser transmissor, pois a carga viral (quantidade de vírus) é que faz a doença ficar mais grave. Só que até o momento da doença se manifestar, o vírus está se multiplicando na região inferior dos pulmões, então o indivíduo não transmite tão facilmente pelas vias respiratórias.

Esta é a fundamental característica da transmissão do Corona Vírus ser tão mais eficaz e eficiente (se é que podemos chamar assim), ele tem uma preferência pelas Vias Aéreas Superiores (VAS), ou seja, ele entra, infecta, se adapta e começa a se multiplicar enquanto ele está na parte superior das vias aéreas, basicamente entre o nariz e a garganta. 

Este é o principal motivo de, no momento atual e enquanto não houver vacina, a gente ter de usar a máscara

O indivíduo é infectado, começa com coriza, uma tosse, espirros e isso não tem grande significado, mas já é a quantidade de vírus que aumentou e por isso já está causando a doença. Mesmo somente com esses sintomas que são leves e comuns no nosso dia-a-dia o indivíduo já é transmissor.

As duas formas mais eficazes de nos garantirmos e protegermos do contágio é o uso de máscaras pois a via de transmissão é a via aérea superior e assim bloqueamos a porta de entrada e a lavagem frequente das mãos (OU álcool gel ou ainda Álcool líquido, desde que seja de 70%), pois o contágio neste caso ocorre quando tocamos em algum objeto ou superfície contaminada e acabamos levando esse vírus à boca, nariz ou olhos.

O crescimento Alzheimer no Brasil

Segundo a Alzheimer’s Disease International (ADI) os casos de demência devem aumentar 278% até 2050. Só no Brasil são diagnosticados mais de 55 mil casos de demência sendo o Alzheimer a principal causa. Pesquisadores da Unifest em 2015 estimou, com base na cidade de São José dos Campos, que 77% das pessoas com demência são diagnosticadas, isso leva a crer que o Brasil possui cerca de 800 mil pessoas com demência.

O crescimento da população de idosos

Segundo o IBGE a população de idosos vai aumentar de 43,19% em 2018 para 173,47% em 2060. Além disso 17,3% dos idosos apresentavam limitações funcionais para realizar as Atividades Instrumentais de Vida Diária (AIVD), que são as tarefas básicas como fazer compras, tomar remédios, utilizar transporte, administrar finanças e realizar trabalhos domésticos. Já entre idosos com 75 anos ou mais essa proporção cresce para 39,2%.

Cresce o abandono de idosos no Brasil

Entre 2012 e 2017 a população de idosos teve uma aumento de 19,5%, passando de 25,4 milhões para mais de 30,2 milhões de pessoas, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Cresceu 33% o número de idosos homens e mulheres com 60 anos ou mais nos albergues públicos, um número que foi de 45,8 mil para 60,8 mil.